18 de agosto de 2019
  • 16:39 COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS PARA SE DESTACAR NO MERCADO DE TRABALHO
  • 17:26 EMPLOYER BRANDING: A FORÇA DA MARCA EMPREGADORA
  • 16:24 MELHORES ATITUDES NA ENTREVISTA DE EMPREGO PARA POTENCIALIZAR NOVAS OPORTUNIDADES
  • 14:49 O FUTURO DO TRABALHO E A GESTÃO DE PESSOAS
  • 08:34 ASSESSMENT: FERRAMENTA FUNDAMENTAL PARA GESTÃO DA CARREIRA

O Employer Branding apareceu em praticamente todas as listas de tendências de RH para 2019. Construir uma marca empregadora forte e confiável não é mais uma questão de escolha, mas sim uma necessidade real para empresas que pretendem se manter firmes no mercado.

Hoje em dia, muitos consumidores já pesquisam sobre as empresas fabricantes antes de comprar um determinado produto e optar por uma marca específica. Assim como empresas pesquisam nas redes sociais sobre seus candidatos a empregos, o caminho inverso também se tornou uma prática comum. Os profissionais também passaram a pesquisar sobre a cultura da empresa antes de se candidatarem a uma vaga em um processo seletivo.

Existem diversos sites disponíveis com avaliações de atuais e ex-funcionários que contribuem para criar uma reputação da empresa no mercado. Então, quer ela queira ou não, sua imagem como marca empregadora acaba de alguma maneira sendo exposta. Por isso, é melhor que a imagem de marca empregadora seja construída pela própria empresa e não que fique à mercê de terceiros.

Ter uma marca empregadora coerente e verdadeira é importante para conseguir atrair e manter talentos, mas principalmente para que esses talentos realmente se encaixem no fit cultural da empresa. Não adianta passar uma determinada imagem ao mercado e atrair pessoas que sejam talentosas, mas que não tenham o perfil adequado para a empresa, o que logo acarretaria em pedidos de demissão e uma consequente necessidade de novas contratações e custos extras.

Enquanto o Marketing da marca da empresa foca no cliente, no consumidor, no Employer Branding o alvo é o próprio colaborador e os profissionais do mercado que eventualmente possam ter interesse em se tornarem futuros funcionários. Mas ter uma boa imagem como marca empregadora também pode trazer impacto positivo junto aos consumidores finais, já que, como falamos lá no início, hoje em dia muita gente leva em consideração uma percepção mais completa de toda a empresa antes de optar por um determinado produto.

Que benefícios traz para as empresas?

Ter uma reputação positiva como marca empregadora é uma garantia de qualidade para o mercado, para a atração de novos talentos e também para a motivação de quem já está na empresa. Isso acaba trazendo uma série de benefícios para a organização.

Com uma imagem de bom lugar para se trabalhar, fica mais fácil conquistar a atenção dos melhores talentos e as contratações ocorrem de forma mais rápida e objetiva. Afinal, se a imagem empregadora que se está transmitindo é real e coerente, os talentos atraídos costumam se encaixar no fit cultural da empresa. Isto reduz o tempo de seleção e diminui custos nos processos seletivos. Além disso, reduz perdas com investimentos em treinamento e capacitação. Já que o profissional tende a permanecer mais tempo em uma empresa que tem valores e cultura alinhados com a sua identidade.

O que fazer para conquistar a marca empregadora positiva?

Para construir uma marca empregadora positiva no mercado é preciso realizar ações constantes e viver verdadeiramente isso na prática. Não adianta somente falar que faz. Quem está dentro da empresa precisa vivenciar esses valores e essa cultura em suas rotinas de trabalho.

Transparência
Uma empresa transparente, onde as informações relevantes são primeiramente comunicadas internamente, e os colaboradores não ficam sabendo do que acontece lá dentro por meios externos como imprensa e redes sociais, gera mais confiança entre seus funcionários.

Coerência
Não adianta querer passar uma imagem ao mercado e dentro tentar agir de outra forma. Os colaboradores são os melhores promotores da marca empregadora e certamente vão transmitir para fora a imagem real do que ocorre lá dentro. Se isso não estiver coerente com o que a empresa mostrar em campanhas externas, o prejuízo de credibilidade é inevitável.

Diversidade
Empresas que respeitam de verdade a diversidade também são vistas de modo positivo. Isso significa recrutar com mais igualdade homens e mulheres, sem preferências de gênero para um determinado cargo. E selecionar profissionais com base em seus talentos, sem que as condições físicas, raça, origem, idade ou preferência sexual sejam levados em consideração no processo.
Não há inovação sem diversidade, precisamos cada vez mais buscar a chamada diversidade cognitiva, diversidade de pensamento trará novos olhares para o negócio da sua empresa.

Liderança direta
Os líderes diretos têm papel fundamental na manutenção dos talentos da empresa. Por isso seu modo de agir pode ser determinante para propagar uma imagem positiva como empregadora no mercado. Assim, os líderes têm que saber ouvir, se comunicar, e ter consciência de suas funções também como promotores da marca da empresa junto ao mercado de trabalho. Líderes são os exemplos vivos das empresas, para o bem e para o mal. Por isso, é importante atenção total a este grupo.

O que não fazer?

Não deixe que o mercado construa sozinho a opinião sobre sua marca empregadora. Hoje em dia, com a disponibilidade de sites especializados é muito fácil que colaboradores e ex-colaboradores emitam suas opiniões a respeito da companhia. Por isso é importante que a própria empresa faça ações positivas para criar sua boa imagem.

Por exemplo, se a sua empresa recebeu muitas críticas negativas em um determinado site de avaliação, o pior erro é simplesmente deixar passar em branco os comentários destrutivos. É preciso responder mostrando ações positivas e principalmente verdadeiras em relação aos pontos que foram abordados e criticados.

Se o comentário de algum modo tiver um fundo de razão, é importante procurar internamente possibilidade de correção e mostrar ao mercado que as melhorias foram feitas. Uma resposta adequada pode contribuir com a formação de uma reputação positiva junto a outros candidatos que acessem a plataforma na pesquisa por empresas para se trabalhar.

Quem deve ser envolvido?

A criação de uma marca empregadora positiva não é função exclusiva da área de Recursos Humanos. Sem dúvida, é o RH que tem o contato mais direto na gestão das ações com os colaboradores. Mas o ideal é que a busca pelo Employer Branding envolva um time multidisciplinar, incluindo também Comunicação e Marketing, e os gestores de toda a empresa.

A construção de uma boa reputação como empregadora depende do envolvimento de todos e de pequenas ações constantes no dia a dia. Não basta ter um planejamento e campanhas internas e externas. É preciso praticar continuamente, avaliando clima, situação e fazendo mudanças rápidas no que for preciso melhorar.

Gostaria de mais informações sobre Employer Branding?

Paulo Sérgio de Souza Corrêa

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT